SEGUE-ME?

16 de março de 2011

Longínquo...


Você pode até dizer que não entendeu o que eu disse. Mas jamais poderá dizer que não entendeu como eu te olhei.
Se não entendeu o meu olhar, é porque teve medo de vê-lo profundamente... Medo do que ele seja capaz de fazer... ou medo do que a voz emudecida, e os lábios entreabertos poderiam ter causado..
Você tem um sério problema de distinguir o que sou e o que não sou...
Eu sou alguém que deixa as coisas livres com os ventos... se elas forem minhas, certamente voltarão...
Não vale a pena aprisionar sentimentos que não me pertencem.
Mas se por ventura, regressarem, tenha a certeza de que o lugar estará preparado, com uma recepção calorosa, um sorriso grandioso, um abraço intérmino, e um coração com um amor, que supera até a incompreensão e toda a demora.
O amor tem dessas coisas: Vê o que está fora do alcance de enxergar. Ouve o que está silenciado. Sente o que não faz sentido... Mas espera pelo inesperado... E compreende o incompreensível..
É esse misto de sentidos indizíveis que eu sinto...
Mas que pena, eu me calo... E você não faz parte desse meu mundo.


[Naná]



7 comentários:

  1. O amor!...
    No fundo, amamos para nos defender-nos do vazio da existência e em reação a ela, a dimensão erótica de nosso ser é uma plenitude dolorosa própria para preencher o vazio que esta em nós, e fora de nós. sem a invasão do vazio essencial que corroê o núcleo do ser e destrói a ilusão necessária a existência; o amor permaneceria um exercício fácil, um pretexto agradável, e não uma reação misteriosa ou uma agitação crepuscular. sendo o máximo de vida e de morte, o amor constituí uma irrupção de intensidade no vazio, e toda intensidade é uma redução do vazio. sera que o suportarmos o sofrimento do amor se ele não fosse uma arma contra o tédio cósmico?, contra a decomposição imanente?

    (link: http://equilibriocorpoemente.files.wordpress.com/2010/11/coracao-vazio.jpg)

    Por Thiago L.
    boa noite!

    ResponderExcluir
  2. "Você pode até dizer que não entendeu o que eu disse..."

    O que pode o pensamento?.

    Para mostrar que o pensamento singular é o modo de pensar de cada um que se qualifica e organiza, que aprende a se perceber e que, a partir daí, estabelece comunicação com o outro. Muitas vezes nosso pensamento nasce do pensamento dos outros, para AFIRMAR, NEGAR OU INCOMODAR o que o outro diz. Poesia, arte, literatura, Filosofia não são meras histórias, mas método, maneira, jeito. É muito mais uma criação coletiva, que se faz junto com o outro, pelo diálogo, pela conversação, do que uma teoria que tem a pretensão de dizer a verdade, ou que, pode ser aceita porque esgotou o assunto. Nas escolas e universidades as pessoas estudam história da poesia, arte, literatura, filosofia e afins, como se a história já tivesse dito a verdade inteira. Melhor pensarmos nas possibilidades do tempo presente do que em simplesmente copiar o passado ou saber direitinho o que qualquer grande autor pensa só pelo prazer da erudição. o pensamento em comum é um livro dispositivo. Serve para ler-junto e, por isso, provoca a consciência do pensar junto. O que pode o pensamento?, no minimo ele tem que ser incomodado para existir... se mover... criar... voar...

    Por Thiago L.
    kisses in the heart

    ResponderExcluir
  3. "o amor tem dessas coisas: vê o que esta fora do alcance de enxergar. ouve o que esta em silêncio. sente o que não faz sentido ...[...] e compreende o incompreensivel."

    COMO O SER HUMANO PODE "FALAR" DAQUILO QUE NÃO VÊ OU EXISTE (AINDA)? COMO AS PALAVRAS "GANHAM" VIDA?

    Sua observação é sugestiva, pois com ela pude rememorar uma questão interessante e da estória, contada pelo Theodore Rozak, de uma sociedade de rãs que viviam no fundo de um poço. Como nunca haviam saído de lá, para todos os efeitos práticos, “os limites do seu poço denotavam os limites do seu mundo”. É sempre assim. É difícil pensar para além da experiência... Acontece que um pintassilgo descobriu o poço, descobriu as rãs, morreu de dó, e resolveu contar o que havia lá fora. E falou de campos verdes, vacas plácidas, águas limpas, flores, frutos, florestas, e tudo o mais que se pode ver neste mundo que enche os olhos... A princípio gostaram das fantasias do pintassilgo. Um bom contador de casos. Depois um grupo de filósofos parou para analisar o seu discurso, e concluiu que se tratava de ideologia, das perigosas, cheia de engodos alienantes. Da próxima vez que a avezinha lhes fez uma visita, antes que abrisse o bico lhe torceram o pescoço. “Boca que conta mentira não merece falar.” Morto o bicho, empalharam-no e o colocaram no museu das conquistas da crítica da ideologia...

    (obs: Para que fique mais claro, veja esse video: Ser Ou Não Ser - Immanuel Kant, Limite da Razão - Viviana Mosé - Fantástico
    http://www.youtube.com/watch?v=1argw1pCM1k)

    Por Thiago L.

    ResponderExcluir
  4. "COMO AS PALAVRAS GANHAM VIDA?"

    O nascimento da palavra.

    *O filósofo Ludwig Wittgenstein (1889-1951) é conhecido por ter desenvolvido duas filosofias bem distintas em sua vida, uma exposta na obra Tratactus Lógico-Philosophicus, de 1921, e outra em Investigações filosóficas, publicado postumamente, em 1953.

    Os dois livros são representativos no pensamento de Wittgenstein por exporem duas teorias da linguagem bem diferentes. A primeira, de que a linguagem figura o real, influenciou os positivistas lógicos do Círculo de Viena, enquanto a segunda, de que a linguagem expressa o real em suas funções práticas, contribuiu para mudar os rumos da filosofia analítica, na Escola de Oxford.

    Uma maneira interessante de verificar essa distinção é analisando o chamado "argumento da linguagem privada", que Wittgenstein, apesar de nunca tê-lo chamado com esse nome, trabalha em Investigações filosóficas.

    ResponderExcluir
  5. **Linguagem e percepção
    Para a tradição filosófica desde Descartes, a linguagem se refere a um conjunto de dados dos sentidos. A frase "dor de dente", assim, se refere a uma sensação de dor que a pessoa sente em algum dente.

    Mas como saber se o que estou sentindo e chamo de "dor de dente" corresponde àquela mesma sensação que você teve e que também chamou de "dor de dente"? Ou o que você chama de "amor", será que é o mesmo referente que eu designo quando uso essa palavra? Ou ainda, quando um repórter na TV pergunta para uma pessoa o que ela está sentindo, depois de sobreviver a uma enchente, por exemplo, o relato corresponderia realmente às mesmas sensações que teríamos se tivesse acontecido conosco?

    É razoável supor que podemos usar palavras de forma equivocada, como quando digo que uma cor é "lilás" e outra pessoa diz "roxo". Estamos tendo a mesma percepção do espectro de luz? Diz o filósofo: "O essencial das vivências privadas não é que cada um possua seu exemplar, mas que nenhum saiba que se o outro tem também isto ou algo diferente. Seria pois possível a suposição - ainda que não verificável - de que uma parte da humanidade tenha uma sensação do vermelho e outra parte uma outra sensação" (IF § 272).

    Como aprenderíamos a ligar o nome a uma coisa, se o nome fosse inventado tendo como base a minha percepção das coisas? Como saber que estamos falando da mesma coisa? Wittgenstein dá ainda o exemplo da caixa contendo um besouro: "Suponhamos que cada um tivesse uma caixa e que dentro dela houvesse algo que chamamos de 'besouro'. Ninguém pode olhar dentro da caixa do outro; e cada um diz que sabe o que é um besouro apenas por olhar seu besouro. Poderia ser que cada um tivesse algo diferente em sua caixa" (IF § 293).

    Poderia também inventar um nome completamente distinto para as coisas de modo que somente eu compreendesse aquilo, como uma linguagem privada que não pudesse compartilhar com o mundo. Um vocabulário e uma gramática desconhecida dos demais, um código próprio que somente quem o criou pudesse compreender.

    O argumento da linguagem privada de Wittgenstein nega que tal coisa seja possível. Basicamente, faz isso por rejeitar a noção de que as palavras tenham como referentes diretos as sensações, que elas representariam.

    ResponderExcluir
  6. ***Linguagem e comportamento
    Para o "segundo" Wittgenstein, não aprendemos que a palavra "dor de dente" significa uma sensação de dor de dente, mas aprendemos a expressar um comportamento. Em outras palavras, uma criança não aprende a essência de um dado sensível representado por um signo (a palavra "dor", por exemplo), mas como expressar um determinado comportamento, um uso prático.

    Vejam o que Wittgenstein diz: "Como as palavras se referem a sensações? (...) Por exemplo, da palavra 'dor'. Esta é uma possibilidade: palavras são ligadas à expressão originária e natural da sensação, e colocadas no lugar dela. Uma criança se machucou e grita; então os adultos falam com ela e lhe ensinam exclamações e, posteriormente, frases. Ensinam à criança um novo comportamento perante a dor" (IF, § 244).

    Quando uma criança sente dor, ela reage com uma expressão natural de dor, o choro. Mas fica muito difícil para uma mãe, por exemplo, saber se uma criança que chora está com dor de ouvido, cólica ou apenas irritada e com sono.

    Com o tempo, a criança é adestrada a substituir uma expressão natural por uma outra, simbólica. Assim, quando sente dor, usa uma frase para expressar a dor, que substitui ou complementa um grito ou choro, dizendo "Estou com dor de ouvido" ou "Minha barriga dói".

    Não somos, deste modo, ensinados a usar uma palavra para significar um objeto, mas um uso linguístico, simbólico e convencional, que pode substituir uma expressão natural para tais sensações.

    Para Wittgenstein, o significado de uma linguagem é dado em seu uso, e como são usos diferentes, ele fala em jogos de linguagem. Não aprendemos o nome das coisas, mas um comportamento expressivo que substitui o comportamento natural.

    Para concluir, a solução para o problema da caixinha do besouro: "Mas, e se a palavra 'besouro' tivesse um uso para essas pessoas? Neste caso, não seria o da designação de uma coisa. A coisa na caixa não pertence, de nenhum modo, ao jogo de linguagem nem mesmo como um algo: pois a caixa poderia também estar vazia. Não, por meio desta coisa na caixa, pode-se 'abreviar'; seja o que for, é suprimido. Isto significa: quando se constrói a gramática da expressão da sensação segundo o modelo de 'objeto de designação', então o objeto cai fora de consideração, como irrelevante" (IF § 293).

    Isso quer dizer que não importa a sensação que tenhamos - a suposta "essência" de nossa linguagem -, mas simplesmente sua função, seu uso no cotidiano.

    ResponderExcluir
  7. ****Conhecimento empírico
    As reflexões de Wittgenstein o levam a concluir que é impossível falar de uma linguagem privada, pois o que se aprende não é uma palavra que designa uma coisa, mas um conjunto de regras sociais para cada uso que fazemos da linguagem. Isso tem, pelo menos, duas consequências para a filosofia analítica:

    Como a linguagem não descreve sensações de objetos físicos exteriores, não há nenhum sentido em se falar de enunciados verdadeiros ou falsos em relação à palavra com seu objeto.
    Não tendo como distinguir entre enunciados verdadeiros ou falsos em relação a questões de fato, se torna impossível fundamentar o conhecimento empírico nos dados dos sentidos, com queriam os positivistas lógicos.

    ResponderExcluir

Comente: